domingo, 30 de abril de 2017

2017 está saindo melhor que o planejado

Não sei se foram as águas de março ou o sol de abril, ou simplesmente minha sorte fazendo escolhas melhores que as minhas, mas meus planos de ano-novo não saíram como o esperado e coisas boas não-planejadas começaram a acontecer. Uma perda do HD do meu computador, seguida de um convite irrecusável para voltar à plena atividade no Sinergia Social (que inclui fazer um canal institucional no Youtube) e tudo o que está vindo em seguida tem virado meus planos do avesso. E no fim das contas eu estou contente com toda essa reviravolta!

De quadrinhista de cavanhaque a youtuber barbudo

Uma perda, um ganho

Estava eu tranquilamente seguindo meus planos de ano-novo, já tinha publicado a primeira revista do ano estava finalizando a segunda e já ia bem adiantada a terceira, quando o inesperado aconteceu: meu HQ quebrou e não tive como acessar mais de 15 páginas já finalizadas. Na hora fiquei chateado, pensando em como contornar isso, já que tinha até mesmo anunciado quando ia lançar as duas edições seguintes à publicação de Universo EB #1. Como trabalho sozinho, cada revista leva quase um mês para ser desenhada e finalizada, então teria uma inevitável quebra de prazos. E foi no meio dessa pequena crise que surgiu um convite do Pablo Robles para retornar à ativa no Instituto Sinergia Social. Era o empurrão que faltava pra virar do avesso de vez os meus planinhos de ano-novo.

Traduzindo do inglês para o cearês: papocou com linha e tudo!

Como postei antes aqui, ano passado eu tive uma atuação importante no Sinergia durante a etapa final do projeto Saberes que Transformam. Cheguei a participar do início do novo projeto, o Somos Mobilizadorxs, mas tive que me afastar por razões pessoais e fiquei inativo no Sinergia até recentemente. Então veio o convite para voltar num momento em que a ONG está numa situação parecida com a de um ano atrás: projeto e fase avançada de execução e com grande demanda de comunicação e eventos de divulgação, algo irresistível para a minha mente criativa e inquieta. Topei na hora! Volto à ativa para atuar na execução do projeto, ajudar a cuidar da comunicação institucional e na relação com parceiros e voluntários.

Mas é claro que não podia faltar um novo desafio!

Em texto recente sobre minha aventura pessoal de aprender a falar em público eu manifestei meu desejo de fazer vídeos no Youtube, algo que vinha postergando enquanto permanecia confortável no terreno conhecido da escrita. Foi aí que aproveitei a demanda comunicacional do Sinergia para propor um projeto novo, um desafio tanto para a instituição quanto para mim: criar um canal de vídeos para mostrar as atividades institucionais, com enfoque especial no Somos Mobilizadorxs que, por se tratar de um projeto baseado em financiamento coletivo, vai precisar de bastante visibilidade. Depois de umas semanas de planejamento, gravações e edição, foi ao ar no último sábado, 28 de abril, o primeiro vídeo do canal, onde faço a cobertura do primeiro encontro com os novos voluntários do projeto.

O primeiro vídeo a gente nunca esquece.

Vencida a barreira de publicar o primeiro, agora vamos criar a rotina semanal do canal, com vídeos que trarão coberturas das atividades do Sinergia, entrevistas com parceiros e notícias do dia-a-dia da ONG e seus projetos. Já tem mais vídeos gravados em edição e estamos gravando outros que irão manter o canal abastecido e nossos parceiros, voluntários e demais internautas informados de sobre tudo que acontece no Sinergia Social.

Fora o Sinergia, tem outras novidades se construindo, mas dessas eu falo depois ;)

E os quadrinhos?

Apesar do grande desejo de ficar um bom tempo na prancheta desenhando, vou ter que deixá-los por enquanto como meu hobby de final de semana. O redesenho das histórias perdidas deverá, em virtude do meu tempo agora bastante ocupado, demorar bem mais que dois meses para ser feito, então muito provavelmente eu só voltarei a publicar minhas revistas lá para o final do ano. Peço desculpas aos meus leitores, que ficaram na espera dos novos quadrinhos. Isso que ocorreu com meu HD acabou servindo para me ajudar a perceber que o projeto EB Comics merece ser melhor planejado para prever situações como essa. Além do roteiro das histórias vou aproveitar e parar pra fazer um roteiro de toda a EB Comics. Com isso, creio que no devido tempo histórias ainda melhores do que as que eu estava desenhando virão e os quadrinhos engatam de vez.

Enquanto isso vou desenhando sempre que der, de modo que os quadrinhos vão de alguma forma continuar enquanto este artista inquieto faz as mil coisas de sempre. :p

Como disse lá em cima, 2017 não quis obedecer o planejado, mas está me trazendo grandes possibilidades que poderão no futuro até mesmo ajudar a alavancar o projeto EB Comics. E eu estou contente que minha boa sorte esteja trazendo tudo isso.

Elinaudo Barbosa

sexta-feira, 3 de março de 2017

Gata Púrpura e Doutor do Tempo nos próximos lançamentos EB Comics

Como sei que minhas leitoras e meus leitores estão aguardando por novidades, hoje vou falar do que vem por aí no Universo EB, comeaçando pelo próximo lançamento, que é o título próprio da Gata Púrpura.

A Gata ganha revista própria e o Doutor vai aparecer de novo em UEB #2

Revista da Gata Púrpura sai em março

Quem viu a Gata em ação na Universo EB #1 e está na espera pelas próximas aventuras da nossa defensora dos animais vai gostar dessa notícia: estou nos finalmentes da edição número 1 da revista própria dela para lançar já agora em março. Queria ter lançado ainda em fevereiro, mas compromissos profissionais me fizeram adiar um pouco meu cronograma. Mesmo assim as páginas já estão quase todas finalizadas, então não demora mais para a revista sair.

Olha como tá ficando bonita a revista da Gata!

Nessa segunda história a personagem vai aparecer pela primeira vez sem a máscara e o uniforme e você poderá conhecer a identidade secreta da moça e ver como é a vida dela quando não está pulando pelos telhados da cidade. O Tio, com quem a Gata se comunica sempre pelo rádio, vai aparecer de relance em alguns quadros, mas ainda não será dessa vez que você saberá quem é ele :)

Universo EB #2 também em produção

E como eu nunca faço uma coisa só por vez mesmo, enquanto desenho a revista da Gata, também estou desenhando uma outra história para o próximo número de Universo EB. Você viu nas páginas finais de Universo EB #1 o Doutor do Tempo partindo para 1995, onde irá ajudar a moça que apareceu nas cartas da Cartomante a se livrar de algum problema. Pois esse encontro do Doutor com a moça acontecerá em Universo EB #2, que começará a contar a origem dessa nova personagem, uma garota sem superpoderes, mas com uma inteligência bem acima da média, que usará dessa inteligência para construir meios de se equiparar aos seres mais poderosos do planeta.

Vai lá, Doutor. Traz a moça que a gente quer saber quem ela é!

UEB #2 trará o primeiro capítulo dessa origem, que mostrará a infância dela até o momento do encontro com o nosso intrépido viajante do tempo. O nome dela você vai saber... quando o quadrinho sair. O plano é publicar a revista em abril. Ah, a Gata Púrpura também vai aparecer nessa revista.

E se você ainda não leu Universo EB #1, acesse e leia em um dos linls abaixo:

Onde ler UEB #1
Se você é assinante do Social Comics, a Netflix dos quadrinhos, leia aqui: https://www.socialcomics.com.br/universo-eb/1

Se não, leia aqui:
PDF - https://goo.gl/1GxXtv
CBR - https://goo.gl/KYBMFw

Siga EB Comics nas redes sociais
www.facebook.com/EBComics
www.facebook.com/GataPurpuraOficial
www.instagram.com/universoebcomics


Elinaudo Barbosa
3 de março de 2017

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

5 C's que considero necessários para o quadrinho nacional de super-heróis dar certo

Desde que pensei em desenhar quadrinhos, dois anos e pouco atrás, passei a observar e mesmo estudar o cenário e o mercado de quadrinhos de super-heróis, que é o nicho onde me insiro. Esse estudo tem, claro, um olhar particular sobre o mercado no Brasil. E minha conclusão até aqui sobre o meio nacional é de que há um potencial imenso a ser explorado e este é o momento pra isso, mas algumas coisas precisam ser observadas se quisermos transformar a paixão de alguns aficionados em um mercado profissional.

Heróis nos temos, falta a heróica tarefa de criar um mercado pra eles.
Arte de Lancelott Martins com alguns dos muitos super-heróis que temos no Brasil.

É com base nessas impressões que pensei nos 5 C's que considero necessários para criarmos um mercado profissional de super-heróis no Brasil.

Crônica
Continuidade
Constância
Competitividade
Competição

Para não fazer um texto longo demais, neste post falarei somente do primeiro C - Crônica. Em textos seguintes irei desenvolver cada um dos outros.

Primeiramente, o que é que eu chamo de Crônica de Super-heróis

A crônica à qual me refiro aqui não é o gênero literário de Ruben Braga, mas aquilo que se convencionou chamar de crônica, que são os comentários sobre uma determinada área, um determinado segmento, analisando e repercutindo fatos e curiosidades em midias diversas, caso da crônica esportiva, da crônica policial ou da crônica de celebridades. Aquilo que chamo de Crônica de Super-heróis se assemelha à crônica de celebridades, quando personagens são tratados como figuras públicas e tem seus fatos heroicos comentados e repercutidos por jornalistas, blogueiros e fãs.

Falta uma crônica para os heróis brasileiros

Quando fui pesquisar os super-heróis nacionais, uma coisa que me chamou atenção logo de cara foi a forma que os mesmos são apresentados, seja em textos, seja em vídeos de canais especializados. No geral fala-se o seguinte: Personagem tal, criado por fulano de tal em mil, novecentos e tanto, tem os poderes tais e teve tantas histórias publicadas no fanzine tal. Pronto, acabou a informação!

Mesmo o Doutrinador, que está prestes a ganhar filme, ainda aparece nas matérias como pouco mais que uma curiosidade. Onde estão aqueles debates cheios de especulações sobre o enredo do filme ou sobre quem vai interpretar os personagens na telona?

Como o leitor vai se interessar por esses personagens se toda pesquisa que é feita sobre eles traz o mesmo texto padrão com data de criação, criador e dois ou três poderes? Aí você vai ver vídeos e ler matérias sobre personagens estrangeiros e tem toda uma crônica sobre eles: "Super-Fulano participou da liga tal, namorou a Super-Sicrana e tiveram um filho que pode dobrar o universo no meio e tal. Mas a gente soube ontem, noticia quentinha postada no site estrangeiro tal, que no novo reboot da editora a origem mudou e o Super-Fulano na verdade namorou foi a Beltrana e o filho dos dois nasceu sem poderes, causando um retorno do multiverso à sua forma original". 

Percebe a diferença? Você vê isso e fica querendo saber que histórias foram essas, quem é a Beltrana (pois você só leu a história da Super-Sicrana), e nesssa hora você já está na maior expectativa sobre os próximos encadernados da Panini pra poder ler a parte nova da história. Falta isso para os heróis nacionais!

A ausência de uma crônica tem, claro, bastante a ver com o próximo C, que é Continuidade, mas acho que para além disso falta um interesse da parte dos críticos e jornalistas atuantes no meio, cujo foco está totalmente voltado para as gigantes norteamericanas. Nossos heróis costumam aparecer apenas como curiosidades, dentro de rankings ou em matérias do tipo "você sabia que no Brasil também tem heróis?" E tome ficha de personagem! São poucas as exceções.

A presença em alguns rankings é o mais próximo de uma crônica que nossos heróis conseguem. Essa matéria do  site Aficcionados tem algo de interssante, pois fala de heróis brasileiros em geral, juntando os nossos independentes com os das grandes editoras dos EUA

Vale observar que os próprios quadrinhistas também devem aprender a dar informação sobre seus personagens de forma a criar bases para uma crônica. Ao invés de dar a ficha do herói a cada vez que divulga algo, fala de uma curiosidade, ou cria um gancho na própria história que leve a um desdobramento interessante, capaz de suscitar comentários e criar expectativas sobre os próximos acontecimentos na vida daquele personagem ou daqueles personagens. 

Parcerias podem ser boas para todos

Eu acredito que um caminho seja estabelecer parcerias com os canais especializados que tenham abertura, pois, na minha visão, ao se criar uma crônica sobre os super-heróis brasileiros, todo mundo sairá ganhando. Quadrinhistas ganharão o aumento de seu público leitor e os canais ganharão mais audiência por parte desse público. Em último caso, se os canais já existentes não estiverem interessados, se pode pensar em criar algo novo, seja um novo canal, blog ou site onde se faça uma crônica dos nossos superpoderosos.

O Zine Brasil, de Michele Ramos, é um dos poucos sites que vão além do feijão com arroz quando se trata dos heróis nacionais

Eu pessoalmente estou procurando fazer um pouco de crônica na hora de divulgar os meus heróis e heroínas. E tanbém tenho buscado fazer isso nas vezes em que compartilho informações sobre quadrinhos de outros autores. Nesse caso, mesmo que não conheça os personagens, procuro me informar sobre o enredo da história e coloco um pequeno texto sobre ele. Se houver fatos anteriores eu os relaciono para dar ideia de continuidade e assim provocar curiosidade no leitor. É a minha humilde contribuição. :)

E o post ficou longo mesmo falando só de um C. Tentarei ser breve nos próximos, que postarei aqui em breve.

Elinaudo Barbosa

Passado, presente e futuro em HQs nacionais

Hoje vou falar dos quadrinhos dos outros. São dois projetos interessantes de autores brasileiros que estão na plataforma Catarse em busca de recursos para viabilizar suas publicações: "Alfa - A Primeira Ordem", que reúne super-heróis brasileiros de várias gerações; e "Lorenna", uma história pós-apocalíptica ao estilo Mad Max.

Bem... vamos pela ordem

"Alfa - A Primeira Ordem" é continuação — uma coisa ainda pouco comum nas HQs de heróis brasileiros — de "Protocolo: A Ordem", publicada em 2016, também financiada através do Catarse. Protocolo foi o primeiro grande crossover entre super-heróis brasileiros, numa história que envolveu os principais heróis e heroínas que atuam no país desde a década de 70. Diante da ameaça de uma invasão alienígena, heróis como Capitão R.E.D.Lagarto NegroJaguaraJou Ventania e Velta se reuniram para proteger nosso querido planetinha azul. Eles combateram, venceram, mas quando tudo parecia bem descobriu-se que as coisas não sairam exatamente como se tinha pensado. O vilão Aéris, um antigo inimigo de heróis da Era de Ouro como Capitão 7Capitão GralhaFlamaRaio Negro e Homem-Lua, ameaça ressurgir em nossos dias. Para combatê-lo será necessário reunir os antigos heróis com a equipe atual, formando a liga ALFA - A Primeira Ordem.

Uma coisa interessante dessa revista é que ela irá resgatar a memória de super-heróis clássicos que estão sumidos do mercado há vários anos, como Capitão 7 (o primeiro super-herói brasileiro, criado em 1954) e Raio Negro, entre outros, e apresentá-los às novas gerações.

Os poderosos da Era de Ouro brasileira: Capitão Gralha em cima 
e logo abaixo Capitão 7, Raio Negro, Flama e Homem-Lua 

Alfa - A Primeira Ordem está em processo de captação de recursos via Catarse. A HQ será feita por nomes de peso: Gian Danton, autor de A Família Titã e Como Escrever Quadrinhos, entre outras obras, é o roteirista; Marcio Abreu, que trabalha com editoras como Dynamite Entertainment e Zenescope Entertainment, fará os desenhos; e Vinicius Townsend, que também já fez rabalhos para a Dynamite, cuidará das cores. Para apoiar a campanha e garantir seu exemplar, acesse: www.catarse.me/alfa

Enquanto presente e passado se encontram em Alfa, no futuro tem... Lorenna!

No ano de 2.307 a Terra não é mais como conhecemos. Houve uma guerra nuclear mundial e os que sobreviveram, além de carregarem em seus corpos as mutações causadas pela radiação, são governados por tiranos que se aproveitaram do caos para ascender ao poder. Na cidade de Megalópoles, uma garota chamada Lorenna, que adquiriu poderes com a radiação irá enfrentar o tirano local, o Três Dedos, e suas gangues para tirá-lo do comando da cidade e também para vingar sua família que foi vítima dele.
Existe uma esperança, e ela vem de moto

É essa a história que começa em "Lorenna #1 - Vingança Radioativa", atualmente em campanha na plataforma catarse, com previsão de lançamento para abril de 2017 no Festival Guia dos Quadrinhos de São Paulo. Lorenna é uma criação do Marcio Abreu, o mesmo que via desenhar Alfa, e do roteirista Julio C R Santos, que também traz grande experiência no mercado mundial de HQs. Para participar e garantir seu exemplar, acesse: www.catarse.me/lorennacomics

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

2017, o ano dos quadrinhos

Conforme escrevi aqui nos últimos dias de dezembro, meu foco este ano — e nos próximos! — é fazer histórias em quadrinhos do meu universo de super-heróis. Promessa de ano-novo que vem sendo cumprida com uma tranquilidade que nunca encontrei em outros planos de Réveillon. A primeira publicação do ano já saiu e estou trabalhando agora na segunda revista, que será lançada antes do Carnaval.

Dois gatos na foto, uma gata na tela B)

Uma nova revista para o meu universo de heróis

Lançada no finalzinho de janeiro, a revista digital Universo EB é o novo título do meu selo EB Comics. Ela vem substituir o primeiro título que lancei um ano e pouco atrás, a EB Comics. Como EB Comics é também o nome do selo, achei por bem criar um novo título para a revista que apresenta o meu universo, para assim evitar que tudo fique tão confuso quanto este parágrafo.

Capa e páginas de Universo EB #1, que lançei em janeiro
A edição número 1 traz uma republicação de Uma Gata no Telhado, primeira história da Gata Púrpura, minha heroína defensora dos animais. E traz também a estreia do Doutor do Tempo, personagem que será fundamental nas tramas que se seguirão no meu universo de super-heróis. A decisão de republicar a primeira história da Gata é para que UEB #1 fique como o marco inicial das publicações do universo, facilitando a compreensão de toda a cronologia EB.

Sim, o Universo EB tem uma cronologia!

E a revista Universo EB, além de ter um papel de apresentar meu universo, será fundamental para acompanhar e entender toda a cronologia dele.

Onde ler Universo EB #1

Se você é assinante do Social Comics, a Netflix dos quadrinhos, leia aqui: https://www.socialcomics.com.br/universo-eb/1

Se não, leia aqui:
PDF - https://goo.gl/1GxXtv
CBR - https://goo.gl/KYBMFw

Trabalhando agora nos próximos lançamentos

Agora estou trabalhando no segundo lançamento do ano, a revista solo da Gata Púrpura, que sai neste mês de fevereiro. A história vai começar a revelar quem é a pessoa por trás da máscara, mostrando suas dificuldades em conciliar a vida de super-heroína com sua vida de pessoa comum.

Gato por todo lado, igual na casa do desenhista =^..^=

Depois da revista da Gata lanço a segunda edição de Universo EB, que irá começar a contar a origem de uma nova personagem que eu ainda não vou dizer o nome. Algumas pistas sobre ela podem ser encontradas nas duas últimas páginas de Universo EB #1, mas isso é tudo o que posso revelar aqui por enquanto :)

Você pode acompanhar mais de perto as novidades do meu universo de super-heróis pelo blog da EB Comics e também seguindo pelas redes sociais:

Blog EB Comics
EB Comics nas redes sociais

Novidades postarei aqui e nas redes acima. Até qualquer hora.

Elinaudo Barbosa

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Projetos, quadrinhos e resoluções de ano novo

Este ano resolvi publicar minhas resoluções de ano novo aqui no blog. Faço isso como uma forma de informar quem me acompanha nas redes sociais, já que elas incluem parar e/ou encerrar alguns projetos que venho desenvolvendo nos últimos meses e anos e que tem uma comunicação com o público através da internet. Isso se dará porque minha principal resolução para 2017 é sair dessa coisa que tem sido minha marca registrada, a multiplicidade, e focar uma única coisa, simplificando mais meu trabalho e também melhorando a percepção do público sobre as coisas que realizo. O meu projeto único no caso é a EB Comics, minha revista e futura editora de quadrinhos de super-heróis.

Tem um "easter egg" nessa foto
(e não são as perninhas brancas e nem a barriguinha rosada do Valdemar).

Tá certo que resoluções de ano novo são tipo as leis brasileiras, são feitas para serem descumpridas. Mesmo assim a gente não deixa de fazê-las com aquela certeza de que vai conseguir realizar! Então vamos tentar mais uma vez.

Veja bem, caro(a) leitor(a), eu disse “tentar”! :)

Eu nunca fui um homem de um projeto só. Como alguns amigos falam, sou um camaleão, que migra temporariamente de área e de projetos. O ser camaleônico nunca me incomodou, pois me permitiu vivenciar, aprender e fazer muitas coisas diferentes. O que sempre foi um pouco incômodo para mim, devo confessar, foi essa minha multiplicidade, esse hábito de fazer várias coisas ao mesmo tempo e a imagem confusa que isso passa para as pessoas. Sempre invejei aquelas pessoas que são conhecidas por fazerem uma coisa só, que são percebidas por estarem realizando um único projeto por vez, até mesmo um único grande projeto pela vida toda. Eu, do contrário, sempre estou realizando tanta coisa ao mesmo tempo, que fica até difícil dizer o que exatamente faço ou qual é a área profissional em que atuo. É por isso que neste ano que chega eu quero tentar fazer diferente, me focando em uma coisa só.

Torçam por mim! 

E vamos às resoluções:

1. Encerramento da Amo Gatos

Lancei a Amo Gatos em 2014 com o objetivo de contribuir com a causa animal através do repasse de parte do lucro obtido com a venda de produtos estampados com meus desenhos de gatos. A idéia foi — e é — muito boa, mas faltou algo no desenvolvimento do projeto que pudesse realmente alavancar a marca. Assim sendo, resolvi encerrar o projeto. A idéia de brindes estampados com criações minhas será aproveitada na EB Comics, onde irei lançar produtos com meus super-heróis e super-heroínas. A Gata Púrpura, heroína que lancei ano passado e que já começa a se tornar conhecida, é uma defensora dos animais, então haverá uma continuidade do diálogo da minha arte com a causa animal, que pretendo continuar ajudando de alguma forma, mesmo que a ajuda não esteja vinculada a um projeto específico.

Mas claro que nunca digo "dessa água não beberei de novo",
principalmente com canecas tão bonitas!
Os gatinhos coloridos eu vou continuar a desenhar de vez em quando, pois além da minha paixão por gatos eles fazem parte de um estilo de desenho particular meu, que criei e venho evoluindo com ele ao longo dos anos. Talvez pinte-os em quadros uma hora dessas.

2. Escritos sobre dinheiro, abundância e Lei da Atração ficam para um futuro livro

Uma pessoa me deu um conselho e esse conselho sugere exatamente a idéia original que eu tinha para esses escritos, que era escrever um livro. Como neste final de ano acabei tendo que dar uma parada nas minhas atividades para cuidar do meu pai que estava hospitalizado, resolvi antecipar o projeto em forma de pequenos textos no blog, até como uma forma de passar o tempo. Acho que não foi uma boa idéia, pois agora que voltei a desenhar quadrinhos está difícil arrumar tempo para continuar escrevendo e postando. Então vou voltar aos planos iniciais de um futuro livro, como pensei antes e fui recentemente aconselhado a fazer. Sem prazo, mas nos planos!

Qualquer hora, entre um quadrinho e outro, Tio Elinaudo publica um
livro ensinando como atrair dinheiro e cultivar a abundância.

3. Blog permanece por enquanto como está, fanpage e instagram mudam temática

Em princípio vou manter as postagens que já fiz, vou continuar aqui e ali parando para contar minhas histórias, mas é bem possível que eu venha a mudar totalmente a cara das minhas redes e tenha que tirar algumas coisas do ar para deixar uma imagem pública mais limpa e acabada. Mas isso é assunto para resoluções futuras. Por enquanto o blog permanece no ar como está. Aproveite e leia o que ainda não leu! Já na minha fanpage e no instagram vou parar totalmente com as postagens sobre o tema Dinheiro e gradualmente voltar essas redes para o meu novo foco, que são os quadrinhos.

4. Palestras podem ocorrer, se houver convites

Tenho um pequeno portfólio de palestras que fui montando nos últimos anos e aqui e ali anunciei e me coloquei como candidato a palestrante profissional, mas como nunca priorizei tanto isso, dei palestras exporadicamente. Continuo à disposição para palestrar se for convidado — até porque adoro falar em público e sempre é um prazer falar de minhas ideias, visões e experiências — mas não irei fazer anúncios desse serviço.

5. Produção de eventos, só os da EB Comics e os da minha cantora

Eventos é outra área que sempre gostei e tenho feito trabalhos nela de vez em quanto, até porque sempre realizei eventos e sempre tenho sido o produtor deles. Ano retrasado criei até uma marca, a EB Eventos, para atuar nesse mercado. Porém, vou continuar como já vinha, produzindo só eventos meus, no caso agora eventos da EB Comics. Fora esses só eventos da Régia da Costa, minha esposa cantora, que continuo ajudando a promover para que ela encontre seu lugar ao sol no mercado da música.

Régia da Costa, minha cantora linda e talentosa, aqui acompanhada do
meu amigo Jefferson Portela em um evento do Instituto Sinergia Social,
que ajudei a organizar em junho de 2016

6. Foco na EB Comics, minha nova antiga paixão

Passei a adolescência inteira criando super-heróis, tanto sozinho quando junto com o Erivando Costa, mas quando parti para tentar desenhar as primeiras histórias a coisa não fluiu. Na época concluí que eu não tinha jeito e nem paciência para ser um desenhista de quadrinhos e abandonei a ideia. Só no ano passado, mais de 20 anos depois resolvi tentar de novo a partir de ideias que fui tendo de novos personagens. E para minha própria surpresa, a coisa fluiu! Em um mês criei a personagem Gata Púrpura e desenhei e publiquei uma revista digital com sua primeira história, a EB Comics nº 1, lançada em novembro de 2015.

Capa e páginas da EB Comics nº 1, que lancei em novembro de 2015

Este ano de 2016 acabei me ocupando de várias atividades e posterguei a continuidade das HQs, mas o desejo de continuar com elas permaneceu comigo. Então, depois de um ano meio louco, resolvi voltar aos quadrinhos. Como ocorreu em 2015, a coisa fluiu ao primeiro traço e já estou com novas histórias em produção para lançar em janeiro de 2017.

A verdade é que não desenhar quadrinhos era uma frustração que eu guardei durante anos. E agora que descobri que posso desenhar, é o reencontro com uma paixão antiga, uma paixão que me move muito mais do que a maioria das tantas coisas que venho fazendo nos últimos anos. E foi por isso que escolhi essa área para me focar. Pretendo investir o máximo de tempo possível na produção dos quadrinhos e também na estruturação de uma editora de modo que a EB Comics, que hoje é uma revista de um único número publicado, venha a se tornar um selo editorial com títulos diversos dos meus super-heróis.

Esses são portanto os planos para o Ano Novo que eu trabalharei para realizar.

Que venha 2017!

Elinaudo Barbosa, desenhista e editor de quadrinhos. :)

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Como venci a timidez e dominei a arte de falar em público

Hoje sou um palestrante, já falei em público sobre os mais diversos temas e atualmente faço palestras sobre a temática que venho tratando aqui do blog: a mudança de crenças e padrões mentais para atrair e criar riqueza, abundância e dinheiro. Mas nem sempre foi assim. Para chegar até aqui tive que travar uma longa batalha interior para vencer a timidez e as inibições que tinha. Conto minha experiência para que sirva de inspiração para quem também tem o desejo de se tornar um(a) palestrante mas ainda sofre com o medo do palco e da plateia.

Adoro palestrar!

Uma criança interior egocêntrica

Talvez por ter sido filho único até os cinco anos, eu tenha aprendido a gostar de ser o centro das atenções. À medida que fui crescendo, porém, cresceu comigo uma timidez absurda que me dominou no começo da adolescência e ainda hoje tem seus resquícios na minha personalidade.

Até os 5 anos só tinha eu, todas as atenções eram pra mim :)

Isso fez da adolescência um período difícil pra mim. Ser tímido e fechado não combinava com minha criança interior egocêntrica e eu sofria vendo os extrovertidos se dando melhor enquanto eu ficava no ostracismo dos CDF’s. Não era a vida que eu queria. Eu queria ser como aqueles caras! E como eu sempre quis o máximo das coisas, queria não só conseguir me dirigir às pessoas diretamente como os outros faziam, resolvi que queria aprender a falar em público e me tornar um palestrante. Foi aí que comecei a travar uma das minhas maiores batalhas interiores.


Buscando e criando oportunidades

Passei a buscar todas as oportunidades que tinha de falar na escola e o fato de ser desenhista me ajudou, pois eu desenhava os trabalhos e depois ia apresentar. As pessoas gostavam dos desenhos e não ligavam tanto para a tremedeira e suadeira que eu ficava tentando falar. Ao mesmo tempo fui começando a me interessar por tudo o que era relacionado à organização de eventos.

Nessa época, início dos anos 90, eu comecei a participar de movimentos políticos, primeiro no grêmio da escola, depois em grupos remanescentes das lutas contra a Ditadura Militar e daí fui enveredando pelos movimentos sociais, CEB’s, movimentos comunitários e por fim o movimento ambiental. Desse modo, em mais de 20 anos de militância, tive inúmeras oportunidades de falar para os mais variados públicos, além do privilégio de poder assistir palestras e discursos de grandes oradores. A batalha foi sendo ganha, pouco a pouco, fala após fala.

A participação em eventos logo me deu intimidade com o microfone.

Minha primeira palestra

Foi em 1992, quando tinha 17 anos que ajudei a criar minha primeira oportunidade de palestrar. Era o aniversário de 500 anos de descoberta das Américas e sugeri à escola a realização de um seminário sobre esse tema. Minha grande professora Rita de Cássia, a Ritinha, topou e encabeçou a realização do evento, do qual eu participei da organização, tendo também ali uma das primeiras experiências nessa área. Mas o melhor ficou pro final! Metido como sempre, me propus a ser um dos expositores e tive a oportunidade de proferir a minha primeira palestra! Até hoje me lembro da sensação de falar olhando para aquelas pessoas todas que me assistiam atentamente e sentir pela primeira vez a grande troca de energia que acontece entre o palestrante e a sua plateia.


Diversidade de experiências

Meu aprendizado se seguiu com outras experiências desse período que vieram a se somar. Durante o tempo que participei das CEB’s da Igreja Católica tive a oportunidade de fazer teatro, participar de celebrações e até ser o celebrante na igreja num período em que havia poucos padres na comunidade. Depois fiz rádio comunitária, onde apresentei um programa de entrevistas semanal e por duas vezes realizei um programa de um dia de duração, por ocasião da Gincana Ambiental que realizávamos através do Instituto Brasil Verde, uma gincana de rua cujas tarefas eram passadas ao vivo pelo programa de rádio.

Além disso, falei em atos políticos, puxei passeata em carro de som, fui mestre de cerimônia em meus próprios eventos, participei de um sem número de debates e audiências públicas nos parlamentos e dei entrevistas para a TV, tanto na rua quanto em estúdio. 

É pena que fosse tão mais difícil fazer registros. Se tivesse Youtube e Instagram na época, garanto que o meus canais teriam bombado.

Participar de audiências públicas, onde o tempo de intervenção é bem pequeno, é
ótimo para aprender a falar de forma concisa e objetiva.

Além da busca constante por oportunidades de falar em público, eu treinava em casa tanto falas quanto gestos e ensaiava mentalmente textos de palestras que ia dar ou mesmo de palestras imaginárias, hábito que mantenho até hoje e que me ajuda principalmente a escrever.

Com isso, a cada vez que ia falar melhorava um pouquinho, ficava menos nervoso, esquecia menos o texto, até que chegou um dia em que se tornou natural. Tão natural que hoje falo com tranquilidade para qualquer público sem qualquer inibição. Tão natural que quando subo no palco e pego o microfone é como se estivesse entrando em casa. :D

Nunca tive inibição com a câmera. Só tive que aprender a falar olhando pra
ela ao invés de olhar para quem estava me entrevistando. :)

O desafio de aprender sempre

Claro que o aprendizado e o aperfeiçoamento devem ser constantes. Eu ainda não estou satisfeito com a projeção da minha voz (resquício da timidez e do jeito de falar da minha família materna) e venho trabalhando nisso para poder falar ainda melhor para minhas presentes e futuras plateias.

E como sempre estou me dando novos desafios, o próximo é gravar vídeos para o meu canal no Youtube. Logo-logo estarei postando os primeiros falando da temática que trabalho atualmente em meus textos e palestras: mudança de crenças e padrões mentais para atrair e criar prosperidade e abundância e dinheiro.

Minha criança interior está muito feliz com tudo isso! :D

Elinaudo Barbosa
10 de novembro de 2016